Pet Friendly

Viajar de carro com cães

Escrito por  | 

Hello, amores!

Vocês sabem que eu adoro viajar com os meus pets, não é mesmo?

 

Porém, muitas vezes os bichinhos não gostam de fazer trajetos de carro. Isso é um problema, que traz sofrimento para o dono e também para o animal quando as viagens são necessárias. Para tirar dúvidas sobre o assunto, conversei com a Dra. Joice Peruzzi, veterinária e especialista em comportamento animal. Olha só que bacana:

Por que muitos cães não gostam de viajar de carro?

As causas são diversas:
  • animais não acostumados a andar de carro que fazem uma viagem abrupta e longa
  • cães que sentem náusea com a movimentação do carro
  • cães que passaram por alguma situação traumática no carro
É necessário avaliar caso a caso para entender a motivação por trás do comportamento.

Quais os principais problemas decorrentes disso?

Cães que ficam ansiosos ou com medo no carro podem:
  • ficar paralisados de medo, perambulando de um lado a outro no carro (podendo causar um acidente de trânsito)
  • ficar ofegantes, com taquicardia
  • ter aumento na produção de saliva
  • ter tremores
  • ficar com posturas de medo (orelhas para trás, encolhido, cauda entre as pernas)
  • podem liberar o conteúdo das glândulas perianais, urinar, defecar ou vomitar
Por outro lado, alguns cães sentem náusea sem necessariamente estarem ansiosos. Nesse caso o cão costuma ficar prostrado, com aumento na produção de saliva, fazendo lambedura de lábios frequente e apresenta vômitos.

Como é possível amenizar a angústia do cão?

Antes de mais nada, precisamos lembrar que filhotes devem ser adaptados a andar de carro aos poucos. Coloque-os no banco de trás com uma caminha confortável e cinto de segurança, ou caixa de transporte. Deixe brinquedos à disposição e ele pode receber petiscos por estar no carro. Aos poucos, faça movimentações gradualmente maiores com o carro, observando o cão.
IMPORTANTE: ele já deve estar adaptado à peitoral (para o cinto de segurança) ou à caixa de transporte antes de usarmos no carro. Isso deve ser feito em casa mesmo, deixando o cão explorar a caixa, dar comida dentro dela, com ela aberta no início, fechando depois, e aumentando gradualmente o tempo dele lá dentro, enquanto se sente tranquilo (usar brinquedos e comida). A caixa pode ser usada como cama para o cão (deixar sem a porta, com colchonete dentro).
No caso da peitoral, colocamos ela antes de oferecer uma refeição ou brincar e deixamos por períodos gradualmente maiores, até ele estar adaptado. Aí, então, começamos a adaptação à guia presa na peitoral. Ele nunca deve ficar com a peitoral sem supervisão (pode roer).

Para náusea, há tratamentos medicamentosos bastante eficazes hoje em dia (sempre com prescrição veterinária), com medicações que podem ser administradas antes da viagem. De qualquer forma, é interessante manter o animal em jejum sólido de 4 horas ou mais, e hídrico de 1 hora. Tente fazer pequenos percursos sem usar medicação, aumentando gradualmente o tempo, para ele se acostumar com a movimentação.
Para os que já sentem medo ou ansiedade no carro, é necessário diagnosticar se pode ser considerado fobia. Nos casos de fobia ou ansiedade extrema, muitos cães acabam sendo medicados com ansiolíticos e feromonioterapia (sempre prescritos por veterinário) sem sedação, para amenizar o sofrimento do animal e tutor.

Em casos mais leves, podemos utilizar feromônios para facilitar o processo. No Brasil, temos o Adaptil spray, que pode ser aplicado no banco do carro 15 minutos antes da colocação do animal (para evaporar o veículo alcoólico) e tem duração de 4 horas. Além disso, tornar o local seguro e confortável para o cão, com utilização de capas, camas ou caixas de transporte (com treino prévio em casa), e oferecer algum brinquedo recheado com ração pastosa ou petisco para roer (o objetivo é ele ficar parado lambendo ou roendo), pode ajudá-lo a se sentir mais seguro no carro.

O ideal é fazer o processo acima e começar a dessensibilizá-lo, com pequenos percursos de carro que podem aumentar conforme ele demonstra estar à vontade.

Há alguma dica de alimentação para os cães antes e durante a viagem?

Para cães que não sofrem com náusea no transporte, a alimentação até uma hora antes de uma viagem é tranquilo. Para percursos dentro da cidade, não há maiores restrições.
Se a viagem for muito longa (mais de 8 horas), podem ser oferecidos alimentos mais leves (frutas, verduras, legumes, sachê ou ração pastosa) que o animal já está acostumado a comer. Mas cães toleram bem períodos longos de jejum, ou seja, não haverá prejuízos se passarem esse período sem comer.
No entanto, é fundamental paradas a cada 2 a 3 horas para necessidades e para oferecer água.

PET ESTAR: COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR DE CÃES E GATOS

Para falar com a Dra. Joice:
(51) 99726-6557
joice@petestar.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *