Carlos Eduardo Tagliari

Carlos Eduardo Tagliari: Bichectomia

Escrito por  | 

A Bichectomia consiste na remoção cirúrgica total ou parcial da gordura de Bichat (o nome correto da técnica é Bichatectomia).

O compartimento de gordura existente na face, logo abaixo da proeminência malar, varia muito de tamanho em cada indivíduo. Originalmente descrito por Heister em 1727, foi publicado em livro de anatomia e teve seu nome registrado por Bichat, em 1801.

bichectomia-bochechas-plastica-beleza

Segundo estudos, o compartimento de gordura de Bichat tem por função auxiliar na amamentação de lactentes. Na vida adulta, a gordura não apresenta função descrita até hoje,  permanecendo como um complemento do contorno facial.

A cirurgia de Bichectomia ganhou notória exposição nos últimos anos devido às inúmeras publicações e relatos de celebridades aderindo ao procedimento, porém essa cirurgia data da década de 70.

bichectomia-angelina-jolie-shutterstock-1024x768

Angelina Jolie

antes-e-depois-megan-fox

Megan Fox

O procedimento cirúrgico para remoção desta gordura é rápido, com uma incisão realizada na parte interna da boca, com baixo índice de complicações e de fácil recuperação.

bichectomia

O que vou explicar hoje são as indicações, riscos e benefícios de se submeter a tal procedimento.

Em primeiro lugar, nem todas as mulheres e homens tem indicação para este procedimento. É imprescindível que um cirurgião plástico avalie o paciente para indicar a presença de excesso de gordura de Bichat e se esse é realmente o problema a ser resolvido. Muitas vezes as pacientes submetem-se à cirurgia apenas por impulso ou por modismo, esquecendo que esse é um procedimento sem volta, ou seja, uma vez realizado o resultado será definitivo.

Existem inúmeras pacientes que apresentam rosto magro e afinado e que, se forem removidas tais gorduras, correm o risco de apresentar deformidades e  evidenciar um envelhecimento precoce devido à exagerada perda de volume facial. Muitas vezes, o equívoco se encontra no diagnóstico, pois em muitos casos procedimentos como preenchimentos com ácido hialurônico ou outras cirurgias que não a Bichectomia para harmonizar e definir melhor o contorno facial trazem um resultado mais satisfatório.

Como Cirurgião Plástico, o que posso orientar é que, apesar de ser um procedimento rápido, este não é isento de riscos e deve sempre ser executado como uma cirurgia, que necessita avaliação prévia, eventualmente exames laboratoriais e, principalmente, um local adequado para sua realização. Na minha rotina profissional, o local é o hospital ou clínica capacitada para cirurgia, com o acompanhamento de um anestesista e todos os cuidados e revisões pós procedimento, como uma cirurgia necessita.

As complicações principais são hematoma (sangramento) que necessite correção cirúrgica, lesões de nervos faciais com paralisias transitórias e até permanentes, má cicatrização, deformidades faciais por excesso de remoção da gordura ou por assimetria do volume retirado, além de infecções. Quando bem indicado e realizado dentro de critérios técnicos, os índices de complicações são muito baixos e os resultados excelentes. Procure sempre um Cirurgião Plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

***
Carlos Eduardo Tagliari
Cirurgião Plástico
Membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *